Prova de Conceito: identifique falhas nos seus sistemas o quanto antes

Startups são, via de regra, empresas escaláveis da área de tecnologia. E o texto de hoje trata de um tema comum ao setor de Tecnologia da Informação. Falaremos aqui de Prova de Conceito.

O nome da expressão pode não significar muita coisa e, até certo ponto, ser redundante. Mas, ao ler o texto, você verá o quão importante a prática é para a sua empresa.

Ou melhor: as práticas. O PoC (como chamaremos aqui, e você vai se sentir íntimo desse conceito em breve) exige uma série de testes e validações. 

Antes que você nos pergunte, vamos deixar algo bem claro e que você deve ter pensado ao ler o parágrafo aqui de cima.

Quando falamos em validações, você deve ter pensado em MVP (Minimum Viable Product, ou Produto Viável Mínimo, em tradução livre).

E, sim, tais conceitos podem ser cruzados. Não é algo obrigatório, mas é um bom ponto de partida – ainda mais se você sequer ouviu falar do conceito de PoC.

Antes de começar a falar, especificamente, de PoC, nós queremos fazer dois convites para você. O primeiro deles vai te trazer muito conhecimento.

Aqui, no Blog da Abstartups, você encontra textos sobre diversos temas. De assuntos muito comuns à vida de empreendedor, como MVP, até mesmo a conceitos menos conhecidos, como PoC.

Por aqui, também trazemos informações diversas, novidades, avisos, lembretes e muito, mas muito conteúdo. É o que você precisa para decolar no mercado, temos certeza.

Portanto, não deixe de visitar nosso blog de tempos em tempos. Confira nossas leituras e, caso esteja envolvido em grupos de empreendedores, deixe todos informados.

O outro convite vai fazer bem não só para você, mas, também, para a sua empresa. Todos se beneficiarão caso você opte em se associar à Abstartups.

Nossos planos possuem uma série de benefícios com ótima relação custo-benefício. Podem, tranquilamente, ser o seu diferencial para se destacar no mercado.

Mais do que isso: você terá acesso a uma série de facilidades (e, aqui, não falamos apenas de conteúdo) e participará de um restrito grupo de empreendedores.

Para se informar a respeito, basta clicar aqui. Temos certeza que você não vai se arrepender de conferir – e assinar um dos nossos planos.

Voltando ao assunto original, a PoC nos aguarda. E, bem, para começar a explicar o conceito, você vai retornar para a década de 1960.

Origem do termo

Sim, década de 1960. O mundo da tecnologia era completamente diferente, mas alguns conceitos já existiam graças aos avanços daquela época.

De acordo com o Oxford, dos dicionários de língua inglesa mais famosos do mundo, o termo surgiu, pela primeira vez, em 1967.

A definição entrou no dicionário, porém, em 1987. Alguns anos antes, em 1984, Bruce Carsten, famoso por diversos experimentos em engenharia de design em eletroeletrônicos, criou o termo.

Por se tratar de uma definição, é importante colocá-la inteiramente. Para Carsten, PoC significa, ipsis literis:

“Denominar um circuito construído seguindo métodos similares aos de um protótipo convencional, no qual a intenção é unicamente demonstrar que um determinado circuito ou uma nova técnica de produção é factível”

Antes de mudarmos ligeiramente de assunto, cabe uma dúvida que você, empreendedor atento, percebeu. 

Se o termo se chama “Prova de Conceito”, por que a sigla é PoC, e não PdC? A resposta está no idioma em que devemos pensar.

Lembre-se: no mundo dos negócios, é a língua inglesa que tem predominância. Logo, a sigla vem do termo Proof of Concept – que, sim é a tradução de PoC no idioma no planeta business.

Duas utilizações de PoC são importantes de se ter em mente. O primeiro deles: é muito comum que ele seja implementado ainda de uma maneira incompleta.

O objetivo é, justamente, fazer testes. Quanto mais riscos forem identificados, melhor. São esses riscos que devem sumir do mapa em sistemas quaisquer dentro da sua empresa.

O segundo: habitualmente, PoC faz menção a um ferramenta para provar algum(ns) erro (s) em um projeto qualquer.

Como organizar uma Prova de Conceito?

Falar de uma empresa e/ou de um sistema é sempre complicado. Envolve uma série de situações e casos. Lidar com uma PoC, como você deve imaginar, não é tão simples assim. 

Mas é claro que existem alguns preceitos básicos. O primeiro deles, que deve estar no topo de qualquer preocupação sua: teste primeiros os sistemas mais importantes.

Você já leu neste texto, alguns parágrafos acima, que o objetivo de uma PoC é encontrar erros. Isso, por consequência, faz com que o projeto (e a empresa) passem a escalar ainda mais rapidamente.

E, bem: escalar a sua startup não é tão simples assim, e sempre é possível crescer. Logo, prova de conceito deve ser algo rotineiro dentro do ambiente da sua empresa.

A primeira PoC deve fazer uma comparação entre as tecnologias utilizadas – para identificar erros ou, até mesmo, para encontrar uma nova. 

A segunda, por sua vez, tem um objetivo diferente: ela precisa analisar o sistema. É necessário, então, estudar casos e verificar todo o panorama no qual tudo isso está inserido.

PoC é MVP?

As palavras utilizadas para explicar PoC e MVP são muito semelhantes, de fato. O que muda são os universos em que cada uma delas aparece.

PoC é muito utilizado quando se desenvolve um software. Cabe à prova de conceito verificar se e é viável ou não. 

Já o Minimum Viable Product (MVP, Produto Viável Mínimo, em português) é utilizado para testar a eficiência de um produto, tanto no uso quanto no mercado. 

Pense que PoC versa mais sobre o universo da tecnologia (não necessariamente ao produto final), enquanto o MVP diz muito mais respeito ao mercado, clientes e, em todos os casos, ao produto final.

Sentiu semelhanças com um outro conceito muito conhecido no mundo do empreendedorismo? Vamos fazer a diferenciação entre cada uma delas.

O que eu ganho ao apostar na PoC?

Tudo muito bem, tudo muito bom. Mas você deve estar querendo algo mais palpável – no que você está certo. E chegou a hora de falar dos benefícios da Prova de Conceito.

  • Custos reduzidos

É óbvio que organizar uma PoC exige um investimento inicial. Muitos empreendedores, por conta disso, acabam não gostando da ideia. 

Mas, acredite: pior mesmo é verificar a quantidade de capital que você perde se apresentar um sistema falho para um cliente específico.

Logo, é necessário detectar falhas, bugs e erros em geral, o quanto antes. E você sabe como fazer isso. Está lendo um texto inteiro sobre isso, na realidade.

  • Detecção de falhas

Parece, até mesmo,repetição do parágrafo anterior. Mas, aqui, queremos ser um pouco mais técnicos e pensar um pouco menos no mercado – modéstia à parte, é claro.

Além de saber que algum(ns) erro(s) está(ão) acontecendo, você saberá identificar o que está dando errado. Ao fazer a checagem, é bem mais simples corrigir.

Mais do que isso: a PoC pode identificar, até mesmo, a inviabilidade de um projeto como ele foi planejado. É frustrante, mas é melhor do que saber disso mais para frente.

  • Feedbacks

Sim, eles, tão famosos, também aparecem aqui. Sempre necessários, ouvir o que o seu público-alvo está achando do que eles estão consumindo é fundamental.

Pelo fato da PoC ser uma etapa bem inicial de um projeto, cada conselho vale – e pode ser mais facilmente corrigido e/ou incluído no processo.

Por sinal, fica a dica para você, empreendedor: quanto mais o seu público-alvo estiver por dentro da criação do seu produto, mais ele se sentirá satisfeito mais para frente. Nada mal, não?

  • Motivação

Eis aqui um daqueles ganhos incontáveis para uma empresa, e que não tem tanto a ver assim com o seu público-alvo. 

Uma equipe que desenvolve uma boa PoC, escolhendo bem quem irá testar, solucionando os erros checados e, mais para frente, criando um bom produto final, certamente terá ganhos morais.

Uma PoC é cansativa e é um momento sensível para qualquer equipe. Superar esse desafio e satisfazer todo o mercado é tudo o que um profissional precisa para alavancar a carreira.

Além da PoC, o que mais eu preciso saber?

Pode perceber que a maioria das perguntas com as quais você se depara em textos com dicas é “depende”. Não é o caso aqui. 

Para responder à pergunta deste intertítulo, nós temos que ser mais enfáticos. Você tem que saber de muitas outras coisas, empreendedor.

Lendo isso, você deve ter ficado chateado. Mas pode ficar tranquilo: todo o conhecimento que você precisa está ao seu alcance. Bem perto, na realidade.

Para ser mais preciso, ele está aqui. E esse “aqui” tem uma série de respostas possíveis. Mas o que você precisa saber é que tudo que você precisa está aqui, na Abstartups.

O conteúdo que você precisa está na palma da sua mão, a um clique de você. A começar pelo Blog da Abstartups – onde você já está, por sinal.

Navegando por aqui, você encontra uma série de textos de temas que são relevantes para todos os empreendedores, empresas e para o mercado em geral.

Mas não é só aqui que você encontra conteúdo no portal da Abstartups. Na nossa página você estará sempre muito bem municiado de informações.

Na Abstartups, você encontra pesquisas, comunidades (e o mapeamento delas) e uma série de conteúdos – esses, com o nome propriamente dito. Vale a pena clicar.

Caso você queira se informar sobre a concorrência e fazer benchmarking como um todo, nós temos uma ferramenta espetacular para você.

Trata-se da StartupBase, uma imensa base de dados com um imenso número de startups Brasil afora. Tudo destacado de acordo com localidade, segmento e outros tantos recortes que você desejar.

A Abstartups também fornece uma série de mentorias para você. Nunca é demais ouvir a voz da experiência e receber dicas e conselhos de profissionais reconhecidos, certo?

Também pensamos no networking, tão importante para abrir portas no mundo dos negócios. Pensamos tanto que tempos não um, mas dois para você aproveitar.

O primeiro deles é a Conferência Anual de Startups e Empreendedorismo (CASE). É o grande evento da Abstartups e é onde reunimos tudo que você deseja.

Nós também organizamos o StartupON, sempre em uma cidade-sede e com edições em diversas cidades do país. Nós apoiamos o empreendedorismo local, como pode ver.

Muita informação, não? E tudo maravilhoso, certo? Vai por mim: tem muito mais para você. Nós apenas trouxemos alguns destaques. 

O nosso “pacote completo”, por assim dizer, está aqui, no final. Junto com um convite irrecusável – quem não gosta deles, não é mesmo?

Tudo isso que nós falamos torna-se ainda mais especial e fica ainda mais potencializado quando você se torna um associado da Abstartups. 

Ao fazer a sua associação, você tem, é claro, uma visão detalhada de tudo que podemos te oferecer. E, como você deve imaginar, vai ter muito mais artifícios para incrementar sua empresa e vida profissional.

Para saber dos nossos planos (temos certeza que um deles cabe no nosso Orçamento e vai ao encontro do que você precisa), clique aqui.

Identifique os erros dos seus sistemas ao realizar a prova de conceito. Torne-se um empreendedor de sucesso ao se associar à Abstartups. 

About the Author:

Ana Flávia Carrilo
Apaixonada por escrita, comunicadora por nascença e formada em jornalismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Acredita no acesso a informação como forma de transformação social. Atualmente, faz parte da equipe de comunicação da Associação Brasileira de Startups, ajudando a desenvolver o ecossistema empreendedor brasileiro.