fbpx

Startups femininas: criando conexões para crescer

Female Founders Report traz um panorama da presença feminina em diferentes startups e avalia os motivos de os números serem ainda tão baixos

Fonte: Pexels

Você já parou para pensar na presença feminina no mercado de trabalho? Eu penso nisso diariamente, porque como gestora, mulher e mãe, vejo de perto a realidade de mulheres de diferentes classes sociais, vivo com elas o esforço diário para conciliar todas as demandas e o quanto são competentes naquilo que se propõem a fazer.

No Brasil, a população é composta por, aproximadamente, 51% de mulheres, mas quando vamos para dentro das empresas, dificilmente encontramos essas mulheres em cargos de liderança. Segundo estudo da consultoria Deloitte, somente 6% dos times executivos são compostos por mulheres e apenas 8% dos assentos de conselhos são ocupados por elas.

Não é muito diferente, infelizmente, quando olhamos para as startups. Apesar de serem consideradas empresas mais modernas e inovadoras, a realidade da equidade de gênero ainda passa bem longe do ideal nesse universo. Praticamente 2% das 100 maiores startups do país têm mulheres entre os fundadores, acredita?

E tem mais números que surpreendem: só 4,7% das startups nacionais são fundadas exclusivamente por mulheres, enquanto 5,1% são co-fundadas por elas. Se olharmos para as startups fundadas apenas por homens, o número é quase 20 vezes maior, chegando a quase 90% das empresas nacionais.

Eu já comentei algumas vezes que as mulheres precisam de exemplos e de mentoria para alçarem voo e, novamente, esses números acabam refletindo isso. A distribuição de gênero dentre os sócios das startups está dividido de uma maneira interessante, segundo o Female Founders Report:

Quando só eles estão entre os sócios — 83,6% homens x 16,4% mulheres
Quando há ao menos uma sócia – 57,4% homens x 42,6% mulheres
Quando há ao menos uma co-fundadora – 46,4% homens x 54,6% mulheres

Female Foundes Report

Se a mulher está no negócio desde a sua idealização, a presença feminina no time é muito maior e, acredite, essa diversidade também é lucrativa, podendo chegar a 25% a mais de lucro, segundo a própria Deloitte. E eu posso dizer que vivenciei essa escalada feminina na prática.

Quando cheguei na único IDTech não havia mulheres gestão. Hoje, entre diretoras e VPs, já somos 40% — uma grande evolução para pouco menos de dois anos. Os desafios femininos no mercado de trabalho são inúmeros e as empreendedoras relatam dificuldades para escalar o negócio, ter boas conexões (mentores, investidores etc.), captar
crédito, falta de uma rede de apoio e de equilibrar vidas pessoal e profissional, dentre outras. Quando olhamos para a diversidade étnica, orientação sexual e até mesmo para a maternidade, vemos que o funil vai ficando cada vez mais apertado, tornando a presença feminina em startups ainda mais difícil.

E é por isso que batalho tanto para transformar esse cenário e podermos ser mulheres que apoiam outras mulheres. Já que ter uma boa conexão é um dos empecilhos femininos nas startups, convido todos a darmos um primeiro passo para mudar isso. Como? Convidando alguma mulher de startup que você ainda não conhece para um café virtual, para um bate-papo, se apresentando e tentando descobrir novas empresas e empresárias. Você certamente vai se surpreender com o alto nível que vai encontrar!

Além da falta de referência no topo, um dos fatores que dificultam as mulheres de avançar é que elas desenvolvem menos seus networks. Portanto abra sua agenda, entenda quem pode te conectar a pessoas ou ambientes interessantes para você e seu trabalho. Busque mulheres, seja nas startups ou em outras empresas que possam te aconselhar. Tenho certeza de que muitas de nós estaremos abertas para esta troca.

Gostou do conteúdo? Seja um associado Impact e participe do nosso blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

" });