Por que e quando pivotar sua startup?

Criar uma empresa é aprender constantemente com os acertos, mas também com os erros. Em alguns momentos, o empresário percebe que as coisas não sairão como o planejado. Nessas situações, o que deve ser feito?

Pivotar a startup pode ser a solução!

O que é pivotar a startup?

A palavra deriva do termo em inglês “to pivot”, que significa girar. Está relacionada à função de pivô no basquete. Esse jogador mantém sua posição na quadra, mas observa todas as possibilidades de lance que estão à sua disposição.

Quando o empreendedor percebe que as coisas não estão indo como o planejado, ele pode pivotar, ou seja, observar todas as possibilidades que tem para mudar sua startup.

Pivotar a startup não significa desistir do negócio, mas reinventá-lo, aproveitando sua estrutura e sua ideia inicial.

Quando pivotar a startup?

Para tomar essa decisão, o empreendedor tem que estar atento às mudanças no mercado. Isso significa monitorar as empresas concorrentes e identificar mudanças no comportamento do consumidor ― assim como avanços tecnológicos.

Vamos usar dois exemplos do mesmo segmento: Kodak e Fuji Film. A primeira ignorou completamente a popularização das câmeras digitais. A segunda até tentou entrar nesse mercado, mas não conseguiu uma participação significante.

A Kodak não fez grandes modificações em seu modelo de negócio, baseado na venda de filmes fotográficos. A Fuji Film aproveitou a grande estrutura que possuía, além de sua experiência com laboratórios químicos e investiu no mercado de cosméticos e medicamentos.

Pivotar a startup é ainda mais fácil, pois o modelo de negócio é mais enxuto.

O empreendedor sabe que a função final de seu negócio é resolver um problema real do cliente. Identificar se esse problema ainda existe é uma dica para saber quando pivotar a startup.

Como pivotar a startup?

O empreendedor deve observar qual fator está motivando a mudança. Se o público não entendeu a proposta da empresa, o movimento será redirecionar o negócio para outro público-alvo.

Se a demanda é inexistente, a startup pode adaptar sua tecnologia para uma demanda que já foi identificada. Se um produto oferecido pela empresa se destacou em comparação a outro, a startup pode transformá-lo em produto principal, fazendo as modificações necessárias.

Se existe demanda, mas o cliente não consegue pagar, pivotar a startup pode significar mudar a monetização do negócio.

O Youtube já foi uma startup que tinha como objetivo criar um site de relacionamentos, baseado em vídeos pessoais. Os desenvolvedores perceberam que não havia demanda para esse negócio. Houve, então, o primeiro movimento para pivotar a startup, transformando-a em um site de compartilhamento de vídeos.

Pivotar a startup pode ser uma grande oportunidade para empresários que estão diante de dúvidas com relação aos seus empreendimentos. É algo comum no mundo das startups, afinal, toda energia e ativos da empresa são direcionados para um novo rumo. Nada se perde.

No entanto, o empresário precisa estar atento ao mercado para não perder o timing da mudança. Se você já teve que pivotar a startup, deve ter dicas sobre esse processo. Divida conosco nos comentários. Sua experiência pode ajudar outros empreendedores!

By |fevereiro 23, 2017|Primeiros passos|

About the Author:

ABStartups
A Associação Brasileira de Startups foi fundada para promover e representar as startups brasileiras. Nós trabalhamos para tornar o Brasil uma das cinco maiores potências em inovação e empreendedorismo tecnológico. Tem uma startup e quer fazer parte desse movimento? Associe-se!