Quais são as comunidades de startups no Brasil

 

Você já ouviu falar de comunidades de startups? Provavelmente já! O lugar mais famoso que desenvolveu uma é o Vale do Silício lar de algumas das maiores startups do mundo.

A maior parte do que hoje se sabe sobre construção de comunidades vem de um autor chamado Brad Feld que há alguns anos sintetizou tudo no livro “Startup Communities: Building an Entrepreneurial Ecosystem in Your City”.

Recomendamos a leitura, mas você está ansioso para entender comunidades de startups no Brasil agora, vamos ao que interessa.

O que é uma comunidade de startups?

Antes de falar do cenário brasileiro, vamos para o básico….

Afinal, o que é uma comunidade de startups?

É um conglomerado, normalmente localizado em uma cidade ou região, que é formado por startups em diversos estágios que interagem com todo o ecossistema em busca de mais oportunidades e desenvolvimento.

Uma vez bem desenvolvida, uma comunidade de startups consegue gerar mais oportunidades, engajar investidores, o governo, grandes empresas e parceiros potencializando o desenvolvimento de uma região.

Existem alguns fatores que são fundamentais para o sucesso de uma comunidade:

  1. Governo
  2. Disponibilidade de capital
  3. Cultura
  4. Suporte
  5. Talento
  6. Mercado

comunidades de startups

Comunidades de startups e polos tecnológicos no Brasil

Ok, mas e o Brasil nessa história? Uma das primeiras comunidades brasileiras a ficar famosa foi o San Pedro Valley que é lar de algumas grandes startups nacionais como a Take.net, Sympla, Melliuz, Hotmart e Rock Content. A lista vai longe e você pode vê-la aqui.

Claro, não foi só a San Pedro Valley que começou a aparecer. Mais comunidades também foram ganhando destaque no Brasil como o Startup SC, Startup Mt, Reed Foot, Cariocas e muitas outras que você pode conhecer no startupbase.

Mas o tempo passou e isso também mudou….

 

 

Historicamente o movimento de startups mais forte sempre foi mais fácil de ser encontrado em grandes centros urbanos como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Florianópolis.

Isso acontece porque os os 6 fatores (a gente falou deles lá em cima) para uma comunidade bem desenvolvida estão mais presentes nessas cidades.

Seja em São Paulo, em Belo Horizonte ou Rio de Janeiro é mais fácil encontrar grandes universidades (PUC, UFMG, Estácio, FIAP), iniciativas de grandes corporações (CUBO, Oito, Oxigênio), programas de desenvolvimento governamentais (Seed, Desenvolve SP, Pitch Gov), investidores, cultura e suporte.

Mas em 2018 algo mudou…  a abstartups decidiu encontrar e mapear o maior número de comunidades de startups no Brasil. Foi um trabalho que começou em janeiro desse ano e já conseguiu:

  • mais 70 matérias entre capas do Valor do Econômico e do Estadão
  • 147 startups citadas na imprensa
  • 14 eventos espalhados pelo Brasil
  • 30 mapeamentos
  • 289 curadores envolvidos
  • 30 embaixadores de todo o Brasil no CASE

Você pode ver aqui os mapeamentos regionais que investigaram os principais pilares da composição de um ecossistema em cada uma das comunidades.

Foram 30 cidades mapeadas, mas identificamos no processo mais de 60 comunidades de startups ativas no Brasil e esse número aumenta a cada dia. Ficou curioso? Dá uma olhada na lista atualizada logo abaixo.

Essa lista cresce todo dia através dos cadastros pelo  startupbase, com os nossos associados e apoio dos embaixadores e curadores. Para colocar sua startup no mapa é só mandar um e-mail para [email protected] e se juntar a nossa rede.

By |janeiro 1, 2019|ABStartups|

About the Author:

Luiza Zambrana
Formada em Jornalismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie é pesquisadora de crítica genética e estudos da criação, voluntária em iniciativas educacionais e apaixonada por transformação social. Começou sua trajetória no empreendedorismo atuando no apoio a empreendedores sociais e atualmente faz parte da equipe de comunicação da Associação Brasileira de Startups.